Fase Final do Campeonato Nacional Sub16 Femininos

Como noticiados foi encontrado este fim-de-semana em Idanha-a-Nova o novo campeão nacional e o título foi pela segunda vez consecutiva para o distrito de Aveiro, sucedendo ao Esgueira a equipa da Ovarense.

Nesta fase final desde da primeira jornada se percebeu que a luta seria a três, entre o Coimbrões, Ovarense e CAB Madeira, com a equipa do SIMECQ a ter valor, mas a ter processos quer ofensivos quer defensivos muito lentos e com um ritmo de jogo muito mais baixo do que o praticado no Norte do país e pela equipa da Madeira.

O primeiro jogo da competição era uma verdadeira final antecipada, entre os dois primeiros classificados do Norte, Coimbrões campeã distrital do Porto e Ovarense campeã distrital de Aveiro. Com a equipa do Coimbrões a estar mais confiante visto ter vencido sempre a Ovarense, a equipa de Ovar foi mais humilde e lutadora, entrando em jogo muito concentrada e a praticar um bom basquetebol com um jogo muito colectivo esteve sempre à frente no marcador, terminando a primeira parte com 10pts de vantagem.

Após o intervalo a defesa zona da equipa portuense causou algumas dificuldades as vareiras mas foi na altura que surgiu a jogadora que viria a ser a MVP do torneio, Gabriela Ipinoza concretiza 20pts na 2ªparte terminando o jogo com 31 e desempenhando um papel fulcral para a importantíssima vitória por 4pts da Ovarense.

No segundo jogo do dia, o CAB Madeira derrotou facilmente o SIMECQ, que na 1ªparte ainda equilibrou o encontro mas depois não foi capaz de manter o ritmo madeirense, de pressão campo inteiro, saídas em contra-ataque e loucos lançamentos de 3pts na 2ªparte o que conduziu a vitória fácil do CAB. Deste jogo ficou “apresentação” de jogadoras como Mafalda Barros triplista temível e Mónica Luís jogadora muito completa.

No segundo dia de competição os jogos em disputa eram um Ovarense-SIMECQ, em que a Ovarense não teve grande oposição, e um sensacional CAB-Coimbrões.

O jogo CAB-Coimbrões foi mais um grande jogo, como todos os que opuseram as três principais equipas desta competição. Este encontro contou com um enorme equilíbrio do inicio ao fim, só ficando definido com um triplo ao som da buzina no final do prolongamento, com Joana Jesus do Coimbrões a ser a protagonista do triplo decisivo. A equipa da Madeira com o seu temível acerto em lançamentos longos criou sempre grandes dificuldades ao Coimbrões, que contrapunha com a sua habitual capacidade para jogar 5×5 em 1/2campo também muito eficaz. Foi um encontro muito intenso e emotivo que sorriu para a equipa do norte, mas a vitória ficava bem a qualquer uma das equipas. Com o resultado deste jogo a equipa por muitos apontada como vencedora antecipada ficava arredada do título, ficando assim para o encontro Ovarense-CAB as decisões finais.

No domingo o primeiro jogo entre o Coimbrões-SIMECQ já para nada contava, sendo um jogo já sem grande interesse e com as equipas algo desgastadas a equipa do norte superiorizou-se com naturalidade à equipa do sul.

Para o último encontro desta Fase Final Nacional ficou reservado o grande jogo de todo o fim-de-semana, com a equipa da Ovarense a puder perder até 3pontos de diferença para chegar ao título.

A equipa do CAB apareceu com uma enorme eficácia da linha de 3pts, concretizando 8! Triplos só na 1ªparte e se durante o 1ºperiodo a equipa de Ovar ainda resistiu bem ao “bombardeamento” madeirense, no 2º período as meninas do CAB tornaram-se avassaladoras obtendo 29pts nos segundos 10minutos.

Na 2ªparte a equipa da Ovarense, tirou frutos do duro trabalho realizado com todas as jogadoras e assim recorreu ao seu banco para encontrar soluções que fizesse recuperar os 13pts de desvantagem registados ao intervalo. A equipa da Ovarense entrou assim na 2ªparte com a ideia clara de que tinham 20minutos para reagir ou lamentarem-se e como já várias vezes provaram não são equipa de se lamentar e com uma grande atitude reduziram a equipa do CAB 24pts na 2ªparte.

Com o final do jogo aproximar-se os nervos e tensão aumentava no jogo e com o resultado empatado a equipa madeirense abdicou do lançamento para levar o encontro para 5m extra de forma a tentar vencer por 4pts.

No prolongamento a equipa que mais tarde venceria o campeonato teria a maior adversidade de todas, após sofrer dois triplos seguidos logo de inicio viu a sua “estrela” Gabriela Ipinoza lesionar-se e abandonar o jogo. Foi então que a sua irmã gémea Ana, acompanhada da capitã Mariana Bandeirinha e de Pietra Rezende assumiram as despesas da equipa e recuperar mais uma vez a desvantagem do marcador.

Com o ambiente cada vez mais tenso em campo e com a equipa do CAB a fazer faltas constantes para parar o cronometro foi a vez da frieza da moldava Maria Dumbrava vir ao de cima na linha de lance livre onde esteve perfeita com 4/4 no último minuto.

A dois segundos do fim é a vez de Ana Ipinoza ir para a linha de lance livre com o resultado em 85-87, converte o primeiro fazendo o resultado final 86-87 e falha o segundo, saboreando assim com uma derrota a vitória no Campeonato Nacional.

Ovarense sucede assim ao Esgueira como nova Campeã Nacional de Cadetes Femininos com inteira justiça.

Destaques Individuais da Fase Final:

Mafalda Barros (CAB) – Temível triplista, jogadora com uma elevadíssima percentagem de lançamento, foi a grande marcadora da equipa da Madeira. Jogadora do 5ideal

Mónica Luís (CAB) – jogadora central de toda a equipa, boa capacidade física e técnica sendo uma jogadora que actua em todas as áreas do jogo.Jogadora do 5ideal

Melissa Pereira (Coimbrões) – jogadora líder de toda a equipa do Coimbrões e a alma que representa esta equipa do norte, sendo possuidora de uma grande capacidade de leitura de jogo e de drible.

Joana Jesus (Coimbrões) – marcadora nata de pontos, grande capacidade de decisões. Jogadora do 5ideal5 ideal

Inês Pinto (Coimbrões) – a única verdadeira poste presente nesta fase, sendo muito forte no jogo interior possui ainda capacidade de drible e lançamento média distância, sendo uma verdadeira “rainha” das tabelas. Jogadora do 5ideal

Filipa Lopes (SIMECQ) – jogadora com grande capacidade técnica e leitura táctica.

Gabriela Ipinoza (Ovarense) – temível no 1×1, enorme capacidade de concretização de pontos, uma verdadeira jogadora “todo terreno”. Jogadora do 5ideal e MVP

Ana Ipinoza (Ovarense) – uma líder, excelente leitura táctica e enorme capacidade de organização de jogo aliada à facilidade de concretizar pontos.

Mariana Bandeirinha (Ovarense) – grande disponibilidade de luta, boa condição física (alia a sua altura à velocidade), grande defensora e ressaltador com capacidade de ainda contribuir com pontos.

Destaques Colectivos

CAB Madeira – foi para muitos a grande surpresa desta fase final, equipa que apesar de ter pouca competição oficial na sua região, apareceu nesta fase com todo o mérito e muita capacidade, chegando a estar mesmo muito perto de vencer apesar do 3ºlugar final. Pratica um basquetebol de “livro”, todos os entendidos falam de que se deve ensinar as bases do jogo de basquetebol na formação mas poucos os fazem, pois bem, esta equipa faz e faz muito bem. Equipa que no ataque baseia-se no 1×1 com cada jogadora a fazer leituras do jogo e tomar decisões sem estar presa a nenhum esquema táctico e sem receio de assumir lançamentos ou penetrações, na vertente defensiva havia constantes trocas defensivas com cada jogadora a realizar também as suas leituras, muito bom basquetebol.

Coimbrões – equipa que era o oposto da anterior, muito mecanizada e presa a muitos esquemas tácticos, mas feito com muita perfeição, com cada jogadora a ser especialista na sua função. A única pecha desta equipa era só contar com 5jogadoras válidas para as funções, sempre que era obrigada a mexer neste núcleo ressentia-se logo, o que em formação por vezes é fatal.

SIMECQ – equipa com jogadoras interessantes mas ainda com alguma inexperiência e também a claudicar pela menor competição da zona de competição onde está inserida, mas para chegar à fase final teve que realizar um óptimo trabalho.

Ovarense – equipa com muitas soluções e muito adaptável, com quase todas as suas jogadoras a serem capazes de realizar qualquer função no jogo, sendo capaz de encontrar soluções para quase todos os problemas que lhe surgem. Devido a isso é uma equipa muito consistente e com capacidade de aliar a capacidade individual em prol do trabalho colectivo. Devido a toda essa sua polivalência e devido ao facto de todas as suas jogadoras serem úteis e capazes de se integrarem no jogo foi justamente campeã.

Ovarense

Explore posts in the same categories: Campeonatos Nacionais, Competições Femininas, Escalões de formação

2 comentários em “Fase Final do Campeonato Nacional Sub16 Femininos”

  1. João Santos Says:

    Excelente crónica sobre a fase final de sub-16. Para quem como eu não esteve presente, fica elucidado sobre os jogos, as equipas e sobre as jogadores.
    E para o meu amigo João Candeias os meus parabéns.

    João Santos

  2. João Figueira Says:

    Quase 8 meses após ter sido colocada esta “crónica”, é a este espaço que venho ganhar forças para enfrentar os treinos da semana seguinte…
    Talvez muito tarde… mas aproveito para enaltecer a imparcialidade do texto escrito, onde ficou bem retratada a competição a que se referiu.
    Ao autor, que desconheço, o meu agradecimento pela atenção e carinho dispensados ao escalão de Sub-16 Fem.
    Cumprimentos.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: